Imprensa


(14/11/2010)


2010 é o segundo ano da campanha Diabetes: Educar para Prevenir.

O tema, que prevalecerá até 2013, tem o objetivo de alertar a todos os envolvidos sobre os cuidados necessários para prevenir e controlar a doença.

» Como evitar a perda da visão causada pela diabetes
» Complicações crônicas podem levar à cegueira irreversível
» 40% dos diabéticos sofrem de alterações oftalmológicas




OCULOS PARA FILMES 3D E SEUS CUIDADOS
Osvaldo Travassos de Medeiros
Professor Titular de Oftalmologia da Universidade Federal da Paraíba
(19/10/2010)


Figura 01

Figura 02

Figura 03

Figura 04

Figura 05

Figura 06

Figura 07

O ser humano apresenta os dois olhos em posição frontal e com uma certa distância de separação  entre eles (Fig.1).

A visão binocular, através do uso simultâneo dos dois olhos  oferece ao cérebro  imagens em ângulos ligeiramente diferentes, com disparidade,  que são fundidas, gerando a sensação de visão única (Fig.2).

Essa unificação desencadeia  um   enriquecemento  da visão:  a estereopsia, a visão tridimensional, o 3D, permitindo discernimento dos detalhes da  profundidade, do relevo e das  distâncias relativas  entre os objetos, com  um melhor relacionamento do ser com o meio exterior.

Sabendo-se que a visão estereoscópica, o 3D, é o mais alto grau da visão binocular, a tecnologia procurou através do cinema (e de outros meios) criar uma situação visual que se assemelhasse ao que vemos no mundo real. 

Para tal, o 3D passou a ser obtido com duas câmeras paralelas (Fig.3), ou filmadoras (Fig. 4), idênticas, niveladas, cujas fotos ou trilhas representam  o que é visto pelo olho direito e pelo esquerdo. (Fig.5).

As imagens projetadas e superpostas (Fig.6) são selecionadas para o olho correspondente através dos óculos (Fig.7). A projeção originada da câmera direita  deve ser  só vista pelo olho direito e a da câmera esquerda só pelo  olho esquerdo. O espectador sentirá volume na projeção.

O cinema passa a ter mais realismo com as imagens dando a ilusão de profundidade, e pelo estímulo da convergência entre os olhos do espectator,  a sensação  de que as imagens saltam da tela.

Tem havido em todo o mundo um crescimento nos titulos cinematográficos  em terceira dimensão estimulando paralelamente  que haja  um maior    cuidado  com o acessório indispensável,   os óculos 3D.

Estes  devem ser entregues  pelo cinema ao espectador apresentando   boa aparência  física, sem arranhões nas lentes,  e que estejam com boa  qualidade óptica.

Por outro lado é muito importante que os óculos  se encontrem em   invólucros  herméticos e esterilizados, com a finalidade de  evitar transmissão de patógenos entre os usuários para não transformar   um entretenimento  em veículo  causador de doença.












Criado há 10 anos, Dia Mundial da Visão busca a prevenção da cegueira
(14/10/2010)

Instituído em 2000, o Dia Mundial da Visão, este ano celebrado em 14 de outubro, é uma iniciativa coordenada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira (APB- International Agency for Prevention of Blindness), com o apoio de entidades internacionais, instituições de atenção oftalmológica, organizações não governamentais (ONGs) e oftalmologistas de todo o mundo.

Todas as ações em torno do Dia Mundial da Visão têm por objetivo sensibilizar as pessoas para o Programa Visão 2020: O Direito à Visão, cujo grande desafio é erradicar os casos de cegueira evitável em nível mundial até o ano de 2020. Estima-se que existam 37 milhões de cegos no mundo, mas 80% das causas de cegueira mundial são evitáveis.

Em 2010 a data destaca a contagem regressiva para 2020, com a divulgação do relatório “Visão Mundial: os 10 primeiros anos”, no qual estão compilados todos os esforços mundiais para a eliminação da cegueira evitável e da deficiência visual.

São inúmeras as causas para o aparecimento das deficiências visuais e da cegueira, mas o Programa 2020: O Direito à Visão enfatiza nove frentes em suas ações mundiais: Tratamento da Catarata, Tratamento dos Vícios de Refração, Fim do Tracoma, Prevenção da Cegueira na Infância, Prevenção da Baixa Visão, Fim da Oncocercose, Prevenção, Tratamento e Controle do Glaucoma, Prevenção,Tratamento e Controle da Retinopatia Diabética, Prevenção, Tratamento e Controle da Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI).

Embora a catarata seja a única causa de cegueira reversível, ela representa 48% da cegueira mundial. A cegueira por retinopatia diabética afeta 4,8% dos 37 milhões de cegos do mundo.

As duas doenças, assim como o glaucoma, e a DRMI, afetam principalmente as pessoas com mais de 60 anos. Os vícios de refração atingem praticamente quase 20% da população mundial, sendo que a presbiopia (vista cansada) é inevitável a partir dos 40 anos.

Presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Mário Motta ressalta a importância da visão, responsável por quase 80% da relação do individuo com o mundo, lembrando que ela é o primeiro sentido a refletir o envelhecimento. A visita periódica ao oftalmologista é fundamental, principalmente a partir dos 40 anos ou mais cedo quando existe algum fator de risco.

-Campanhas públicas de esclarecimento, como as realizadas pela Sociedade Brasileira de Oftalmologia e demais entidades oftálmicas, são fundamentais, assim como o comprometimento das autoridades, ressalta Mário Motta.




As três principais doenças oculares que acometem os idosos
(01/10/2010)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica cronologicamente como idosas as pessoas com mais de 65 anos em países desenvolvidos e com mais de 60 anos nos em desenvolvimento.

Segundo ainda a OMS, a população mundial está envelhecendo graças ao avanço da medicina e a melhora na qualidade de vida. Estima-se que por volta do ano de 2025, pela primeira vez na história da humanidade, o número de idosos será maior do que o de crianças.

No Brasil a expectativa de vida é de 68 anos para os homens e 75 anos para as mulheres. Atualmente existem cerca de 13,5 milhões de idosos no país, que representam 8% da população. Mas até 2020 serão 32 milhões e o Brasil, que já foi um país de jovens, será o sexto no mundo com o maior número de idosos.

A Lei Nº 11.433 de 28 de dezembro de 2006, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, instituiu o Dia Nacional do Idoso, a ser celebrado em 1º de outubro de cada ano. A data é uma oportunidade não só de valorizar as pessoas idosas, como também alertar para a necessidade de redobrar os cuidados com a saúde.

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia aproveita a data para enfatizar a importância dos cuidados com a visão, primeiro sentido a sofrer as consequências do processo do envelhecimento, geralmente a partir dos 40 anos com os sintomas iniciais da vista cansada (presbiopia: dificuldade para ler de perto).

- Apesar do desenvolvimento da medicina, das políticas de saúde pública e a crescente conscientização da população brasileira, que está envelhecendo "a olhos vistos", muitos ainda desconhecem a importância dos cuidados com os olhos ressalta o presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Mário Motta, ao lembrar que" mais de 70% da nossa relação como mundo se dá através do sentido da visão".

O presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia alerta para três dos mais graves problemas visuais, que podem levar à cegueira a partir dos 60 anos: a catarata, o glaucoma e a degeneração macular relaciona à idade (DRMI).

Dessas três patologias, a catarata é a única cuja cegueira é reversível. A catarata é a opacidade do cristalino, o que provoca a visão embaçada, opaca. Mas ela só tem cura mediante cirurgia. Nos países desenvolvidos realizam-se 5 mil cirurgias por ano e por milhão de habitantes. O Brasil não chega ao mínimo aceitável de 3 mil cirurgias por ano e por milhão de habitantes, como preconiza a Organização Mundial da Saúde. Atualmente, são realizadas no Brasil cerca de 360 mil cirurgias de catarata por ano, quando deveriam ser pelo menos 546 mil.

Estima-se que existam 900 mil brasileiros com glaucoma ( perda progressiva da visão lateral), mas acredita-se que o número seja muito maior, devido ao desconhecimento da doença.Extremamente grave, se não diagnosticada a tempo e tratada, o glaucoma pode levar à cegueira irreversível, pela destruição das células retinianas e do nervo óptico. O glaucoma acomete 4% da população acima dos 40 anos e é mais comum entre as pessoas da raça negra, portadores de alta miopia, em uso de esteróides. Se na família houver casos diagnosticados, é necessário redobrar a atenção com seus descendentes no exame da pressão intraocular. Nesses casos, recomenda-se exames oftalmológicos mais frequentes, assim como para os hipertensos ou diabéticos.

Quanto à degeneração macular relacionada à idade-DRMI ( lesão na mácula- parte central do olho), afeta tanto a visão para perto quanto para longe. Seus primeiros sintomas são um esmaecimento das cores, a percepção de uma área escura ou vazia no centro da visão e a alteração do tamanho dos objetos. O DRMI já afeta cerca de 2,9 milhões de brasileiros acima de 65 anos de idade e pode levar a perda parcial ou total da visão. As pessoas com íris azul ou verde estão mais sujeitas a ter DRMI.

- No entanto, a boa notícia é que de 80% dessas doenças têm prevenção e tratamento, inclusive com modernos recursos cirúrgicos, explica Mário Motta ao listar os hábitos que ajudam na prevenção de problemas oculares: Não fumar, não se expor ao sol sem proteção (óculos, chapéu e filtro solar) e alimentação saudável, rica em vitaminas e sais minerais, são fundamentais para manter a boa visão, assim como visitar periodicamente um oftalmologista.

O presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia ressalta também que através do exame do fundo de olho, obrigatório em qualquer exame oftalmológico, pode-se detectar precocemente não só as doenças acima citadas, mas o diabetes, doenças neurológicas e AIDS.

Atenção apenas o oftalmologista, por lei, pode examinar um paciente e prescrever óculos ou lentes de contato, que é um ato médico.




Sintomas e cuidados com a sensação de olho seco
(27/08/2010)

Nos 25, 26 e 27 de agosto São Paulo e Rio de Janeiro chegaram a registrar umidade relativa do ar de 12%, recorde do ano, colocando as duas cidades em estado de alerta, uma vez que abaixo deste índice é decretada situação de emergência.

Além dos riscos de incêndios florestais, o tempo seco e quente no inverno, que ocasiona a baixa umidade, pode agravar reações alérgicas. Pele, olhos e garganta eventualmente se ressentem mais com a baixa umidade, que também pode agir como agravante da rinite e da asma.

Embora não seja provocada especialmente pela baixa umidade do ar, esta certamente pode agravar a chamada Síndrome do Olho Seco, alerta a Sociedade Brasileira de Oftalmologia. Ar quente ou seco, vento, permanência em altitudes elevadas ou em locais com ar condicionado e fumaça de cigarro também são fatores que contribuem para que o indivíduo desenvolva olho seco.

Os usuários de lentes de contato também podem se queixar ocasionalmente de olhos secos. Normalmente as lentes de contato flutuam na película lacrimal do olho. Se a produção de lágrimas diminuir ou se a composição da película estiver alterada, pode acontecer que as lentes fiquem posicionadas diretamente sobre a córnea, danificando-a.

No caso de pessoas que usam lentes de contato, a sensação de secura também pode ser provocada pelo depósito de proteínas nas lentes, razão pela qual a limpezas das mesmas é tão importante.

Determinados medicamentos, insuficiência certas vitaminas, assim como algumas doenças são outros fatores capazes de provocar uma formação reduzida de lágrimas, como, por exemplo, preparados hormonais, falta de vitamina A, doenças da tireóide, doença de Parkinson ou a Síndrome de Sjögren.

Segundo o presidente da Sociedade, Mário Motta, os principais sintomas do olho seco são: ardor nos olhos, coceira, irritação, olhos vermelhos, visão turva, que melhora depois de um pestanejar de olhos, sensação da existência de um corpo estranho e desconforto quando se lê, vê televisão ou trabalha em frente à tela do computador por muito tempo.

O presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia explica que olhos secos são uma das queixas mais recorrentes por parte dos pacientes e os sintomas são frequentemente provocados por uma alteração na composição da película lacrimal, que lubrifica os olhos. São as glândulas lacrimais nos olhos que produzem o líquido lacrimal, que lubrifica a conjuntiva e córnea.

- Simplificando, podemos dizer que a Síndrome do Olho Seco significa que os olhos não são umedecidos suficientemente seja porque a produção do fluído lacrimal é pequena, seja porque a composição das lágrimas não é a ideal, explica Mário Motta, acrescentando que normalmente o pestanejar, piscar os olhos, espalha uniformemente a película lacrimal sobre o olho. No entanto, se esta película lubrificante não for o suficiente poderão ocorrer irritações nos olhos.

- Diversas causas podem provocar a formação de um olho seco, que é também um sinal de envelhecimento, já que normalmente a medida que ficamos mais velhos a produção de lágrimas tende a diminuir. As mulheres sofrem mais de olhos secos que os homens por conta de causas hormonais: uso da pílula anticoncepcional ou devido às alterações hormonais dá menopausa.

Existem, entretanto, algumas medidas que poderão ajudar no dia a dia para aliviar os sintomas de olho seco, tais como: beber líquidos em quantidade suficiente, de preferência água natural, para que o corpo não fique desidratado. Quando estiver lendo ou trabalhando em frente à tela do computador, lembre-se de piscar os olhos com frequência. E uma recomendação importante, em qualquer situação, evite esfregar os olhos, pois isso agrava qualquer sintoma de mal estar ocular.

O presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia enfatiza que a automedicação pode ser muito perigosa, colocando em risco a córnea: "Não existe colírio inócuo. Em caso de apresentar algum dos sintomas que podem ser atribuídos ao olho seco, a primeira providência é consultar um oftalmologista".




Dia Mundial da Saúde Ocular: ênfase na prevenção
(10/07/2010)


Resultado de uma parceria da Organização Mundial da Saúde (OMS) e International Agency for Prevention of Blindness, o Dia Mundial da Saúde Ocular (10/7) faz parte do esforço global que, sob o slogan “Visão 2020: O Direito de Ver”, busca erradicar as causas da cegueira evitável até o ano 2020, mostrando à população os benefícios das medidas preventivas.

Segundo a OMS, de cada dez casos de perda de visão, oito poderiam ser evitados se detectados precocemente com visitas periódicas ao oftalmologista. Embora a maioria dos problemas oftalmológicos se manifeste a partir dos 40 anos, hoje se recomenda que a primeira consulta deva ocorrer quando a criança tem entre dois e três anos. No início da escolarização todas devem ser submetidas a exame de acuidade visual: os vícios de refração (miopia, hipermetropia e astigmatismo) quando não corrigidos podem levar à perda visual.

A miopia, que acomete pelo menos 30 a 40% da população ocidental é o vício de refração com maior necessidade de prescrição entre estudantes, razão pela qual a Sociedade Brasileira de Oftalmologia escolheu “ O Olho Míope” como tema oficial do XVI Congresso Internacional, realizado de 1 a 3 de julho passado.

- Catarata (maior causa de cegueira reversível), glaucoma, degeneração macular relacionada à idade e retinopatia diabética são responsáveis por 75% da cegueira no mundo, ressalta o presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Mário Motta ao lembrar que elas muitas vezes estão associadas à miopia.

Links:
Exame oftalmológico de rotina
Problemas oftalmológicos




Glaucoma: uma doença silenciosa, assintomática
(26/05/2010)

Principal causa da cegueira irreversivel no Brasil e no mundo

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia, juntamente com o Lions Clube do Rio de Janeiro e a Abrag-Rio (Associação Brasileira dos Amigos, Familiares e Portadores de Glaucoma), promove no dia 26 de maio, das 9 às 15 horas, na sua sede, na Rua São Salvador, 107-Laranjeiras (RJ), a Campanha de Prevenção e Detecção do Glaucoma, realizando a medida da pressão intraocular (fator de risco relevante para o diagnóstico da doença).

Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da World Glaucoma Association, este ano a doença já terá afetado 60 milhões de pessoas em todo o mundo: 8,4 milhões de pessoas ficarão cegos em consequência do glaucoma.

O Dia Nacional de Combate à Cegueira pelo Glaucoma, oficializado através da Lei Federal n° 10456, de 13 de maio de 2002, tem por objetivo orientar a população sobre os fatores de risco e medidas preventivas para combater a doença, que é a principal causa de cegueira irreversível no mundo e no Brasil.

O glaucoma é responsável por 12,3% dos casos de perda de visão em adultos. A prevalência aumenta com a idade. É estimada entre 1% e 2% na população geral, chegando a 6% e 7% após os 70 anos de idade.

Os principais fatores de risco são: histórico familiar, pressão intraocular elevada, idade acima de 50 anos, diabetes, uso prolongado de corticóides, presença de lesões oculares e descendência negra.

Estima-se que no Brasil existam cerca de 985 mil pessoas portadoras de glaucoma, embora o número deva ser bem mais elevado, uma vez que calcula-se que 50% dos portadores ignoram a doença. Caso sejam aceitos os índices da World Glaucoma Association, segundo a qual a doença afeta entre 1% e 2% da população geral,chegando a 6% e 7% após os 70 anos, o Brasil pode ter quase 4 milhões de glaucomatosos.

O glaucoma é uma doença crônica, silenciosa, que não tem cura, mas na maioria dos casos pode ser controlada com tratamento adequado. Quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores são as chances de evitar a perda da visão.

O tratamento clínico inicial é feito com colírios que baixam a pressão intraocular. A terapia com laser é indicada quando o tratamento com colírio não é capaz de conter os níveis elevados de pressão. O procedimento cirúrgico é a última opção de tratamento.

O glaucoma, por ser assintomático, é uma doença perigosa. Por isso a Sociedade Brasileira de Oftalmologia recomenda consultas anuais a todos que já têm 40 anos ou mais. Quem tem histórico familiar deve consultar um oftalmologista mais assiduamente.

Mais informações:
Eleonora Monteiro
Assessora de imprensa da SBO:
Tel: (21) 3235-9220 Ramal 29
Celular: (21) 9918-3245




Campanha de Detecção e Prevenção do Glaucoma
(06/03/2010)

» Saiba mais




Aproveite o melhor do verão, mas atenção com os raios UV
(23/12/2009)

Bonés, chapéus, óculos escuros com filtro para radiação ultravioleta (UV), barracas e bom senso são indispensáveis para enfrentar com boa saúde ocular o verão, que oficialmente começou no dia 22 de dezembro.

O sol das 10 às 14 horas não é indicado nem para adultos nem para crianças, alerta o presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Mário Motta.

» Saiba mais




Complicações do diabetes podem levar à cegueira
(22/12/2009)

No Dia Mundial do Diabetes, 14/11, presidente da SBO alerta para as complicações crônicas da doença, que podem provocar a cegueira irreversível.

"Só o controle rígido dos fatores de risco podem reduzir as ocorrências das formas graves da retinopatia diabética, principal causa da perda da visão de adultos em idade laborial ( 20 a 60 anos)", afirma o presidente Mário Motta.

» Saiba mais




Brasil tem 1,1 milhão de cegos e cerca de 4 milhões de deficientes visuais
(14/11/2009)

Embora o Brasil tenha 1,1 milhão de cegos e cerca de 4 milhões de deficientes visuais, de 60 a 75% dos casos seriam evitáveis e/ou curáveis, segundo a Organização Mundial da Saúde.

No mundo, existem cerca de 45 milhões de cegos e o triplo de deficientes visuais.

O levantamento foi divulgado no dia 8 de outubro, quando se comemorou o Dia Mundial da Visão.

» Saiba mais




Síndrome Visual Relacionada a Computadores
(25/02/2008)

Os computadores têm se tornado quase indispensáveis para a maioria das funções cotidianas. A popularidade do computador, incrementado com facilidades de acesso à internet, tem conquistado uma enorme quantidade de profissionais, que o utilizam como ferramenta indispensável para o exercício de suas funções. Com isso, cada vez mais pessoas têm experimentado sintomas visuais associados ao uso excessivo de computadores.

A Síndrome Visual Relacionada a Computadores (SVRC) se refere a um grupo de sinais e sintomas diversos e variados, que podem ser atribuídos ao uso do computador. Os sintomas visuais são as principais queixas e motivos de consulta médica, dentre os problemas de saúde ocupacional nos usuários de computadores.

Os sintomas oculares mais frequentes da SVRC são cansaço, sensação de corpo estranho, ardência, dor, irritação, vermelhidão, ressecamento e turvação visual.

Estima-se que até 90% dos usuários de computador por mais de três horas diárias apresentem algum tipo de sintoma relacionado à SVRC. As principias causas estão relacionadas a mecanismos da superfície ocular, acomodativos e extraoculares.

Existem várias evidências que o uso de monitores causa astenopia. A condição do paciente pode contribuir para a sintomatologia e a análise individualizada do paciente quanto à refração, binocularidade e acomodação devem ser considerados. Evidências clínicas têm mostrado que o uso prolongado de monitores provoca diminuição no poder de acomodação e na capacidade de convergência, assim como leve indução de miopia transitória pelo esforço acomodativo.

A resolução da tela (medida em pontos por polegada), o contraste, assim como a iluminação ambiente podem ser fatores importantes no conforto visual e na melhora da SVRC. As telas de cristal líquido (LCD) geralmente apresentam melhor resolução e iluminação, assim como refletem menos a luz do ambiente.

A iluminação excessiva da sala, bem como luzes que incidem e refletem na tela do computador, geram imagens confusas e dificultam a focalização nela. Os filtros protetores, que são colocados na frente do monitor, podem contribuir diminuindo a reflexão de luzes que incidem na tela, já que as fontes de energia luminosa externas passam duas vezes pelo filtro enquanto as emitidas pelo monitor passam uma vez, aumentando o contraste entre as imagens. Outro papel destes filtros seria quanto à redução de energia eletromagnética e outras radiações emitidas pelo monitor.

A taxa de renovação (refresh rate) da tela se refere ao intervalo em minutos que a tela é preenchida para produzir uma imagem. Taxas muito baixas (8 a 14 Hz) podem contribuir para crises convulsivas. Taxas maiores (80 a 120 Hz) podem melhorar a sintomatologia ocular e o conforto do usuário e podem ser ajustadas nas configurações avançadas do vídeo no computador.

A posição do monitor também é importante quanto à ergonomia e conforto da musculatura cervical. Em geral, a tela deve estar entre 70 a 100 cm do usuário, num nível 10 a 20 graus abaixo dos olhos, proporcionando maior conforto e menor estresse postural.

Uma das principais causas do cansaço visual é o ressecamento ocular. A diminuição do piscar associada a outras condições ambientais, oculares e sistêmicas, como ar condicionado, ventiladores, disfunção meibomiana, pouca ingestão de líquidos, uso de medicamentos (diuréticos, betabloquea¬dores), fumo, podem contribuir para piorar esta sintomatologia na SVRC.

A maioria dos indivíduos pisca 10 a 15 vezes por minuto. Estudos mostram que esta taxa pode ser reduzida em até 60%, resultando em sintomas de olho seco. O uso frequente de lubrificantes oculares pode melhorar esta condição de forma significativa.

O tempo de uso do computador e o desgaste físico e visual estão diretamente relacionados. Sugere-se que pequenas pausas, de 5 a 10 minutos por hora, de preferência fixando a distância e sem olhar para o monitor, possam causar menor desgaste visual, com melhora do desempenho no trabalho. Além disso, os turnos de 4 horas no computador devem ser interrompidos por pausas maiores para evitar maior desconforto visual.

A correção visual adequada para o computador deve ser avaliada individualmente. Em geral, as opções de lentes que privilegiam a zona intermediária e de perto, com corredores mais amplos tendem a ser melhor aceitas do que as lentes multifocais tradicionais. Alguns usuários podem ter desconforto com a procura do foco, oscilando entre o monitor, texto de leitura e teclado, nas zonas de progressão da lente multifocal. As correções monofocais tendem a dificultar a obtenção de um foco ideal para as diferentes distâncias na mesa do computador e ambiente de trabalho. As lentes multifocais para adaptação em armações pequenas podem também comprometer a zona de visão intermediária e não serem a melhor escolha para este uso. De qualquer forma, médico e paciente devem discutir as opções disponíveis no mercado, visando atender as expectativas, que devem ser apresentadas durante a consulta.

Ainda não sabemos os efeitos deletérios que possam decorrer da exposição frequente aos diversos tipos de radiações, eletromagnéticas, de radiofrequência, dentre outras, dos computadores, celulares, fornos de micro-ondas e utensílios da vida moderna. Somente o tempo poderá mostrar o que alguns estudos tentam comprovar com evidências ainda pouco conclusivas a este respeito.

Como o uso destas poderosas máquinas faz-se imprescindível e em muito contribui para o desenvolvimento da medicina, o convívio harmonioso entre homens e máquinas deve ser regido pelo bom senso, em que os computadores nos sirvam, permitindo mais tempo livre para outras atividades de lazer e convívio humanos, fundamentais para a saúde e bem estar.

Palavras chave (keywords) para pesquisa no PubMed e Google: computer vision syndrome, computers and eye strain, computers and asthenopia, computers and ergonomics, computers and dry eye, video display terminals e liquid crystal display.

Maurício Pereira
Membro da Comissão de Internet da SBO



Contato: midia@sboportal.org.br

Copyright 2008. Todos os direitos reservados a SBO - Sociedade Brasileira de Oftalmologia

Desenvolvimento WGS Informática